Você sabia que a Fisioterapia pode contribuir durante o Tratamento ortodôntico?

Atualmente a Fisioterapia vem ganhando uma nova área de abordagem.  Trata-se da abordagem fisioterapêutica em pacientes que se encontram em tratamentos ortodônticos. Apesar de ainda não ser tão comum essa prática, nossa abordagem iniciou-se após começarmos a  tratar pacientes com Disfunções Temporomandibulares. A busca por conhecimentos nas DTMs fizeram o Fisioterapeuta entender melhor os mecanismos de oclusão e o porquê da influência sobre a Postura. Tipos de Mordidas (aberta, cruzada); forças incidentes sobre os dentes durante a mastigação, Curva de Spee, overbite x overjet são alguns dos conhecimentos que o Fisioterapeuta que atua nessa área deve saber.

O tratamento ortodôntico visa restabelecer a posição dos dentes. Algumas alterações dentárias, tipo as maloclusões, levam a alterações no posicionamento do crânio. Um dos motivos que permitem essas alterações é a relação existente entre os músculos da mastigação e coluna cervical. Sendo assim, qualquer alteração em uma destas áreas irá gerar alterações na outra. Ao mesmo tempo se um destes sistemas não estiver equilibrado o tratamento estará sujeito a recidivas. A transdiciplinaridade entre odontologia e Fisioterapia torna um beneficio para todos os pacientes.

Dr. Leonardo Brito

Fisioterapeuta

O Pilates Fisioterapêutico na Gestação

Muitas são as perguntas se a Gestante pode ou não praticar o Método Pilates??????

A resposta é sim, claro (DESDE QUE SUA GESTAÇÃO ESTEJA SEM COMPLICAÇÕES)

Os exercícios, para gestantes, são adaptados para cada trimestre da gravidez assim como para a condição cinético-funcional de cada mulher, procurando sempre respeitar-se o individual de cada uma.

No primeiro trimestre, a mamãe passa a ter poucas alterações, o que se torna “mais fácil” a prescrição dos exercícios. Conforme as alterações vão ocorrendo, o Fisioterapeuta deve começar adaptar alguns exercícios conforme as alterações instaladas.

Muitos obstetras não costumam liberar suas gestantes no primeiro trimestre, quando essas são sedentárias, com receio que algo possa ocorrer com o bebê. A experiência clínica do Fisioterapeuta, nessas situações, é de fundamental importância para transmitir segurança a mamãe e o seu obstetra. As contra-indicações da prática devem ser analisadas em conjunto pelo Fisioterapeuta e Obstetra. Situações como: Cérvix incompetente, sangramento vaginal, placenta prévia, ruptura das membranas, retardado na gestação entre outras devem ser discutidas e ser analisado os risco individualmente.

A prática do Pilates pode ir, normalmente, até o fim da gestação sendo uma excelente ferramenta para a gestante no parto e no Pós-parto.

Procure sempre um profissional qualificado para cuidar da sua Saúde.

Dr. Leonardo Brito

A Fisioterapia no Pós operatório das Cirurgias Ortognáticas

A maioria dos indivíduos, incluindo alguns profissionais de saúde, desconhecem a aplicabilidade e os benefícios que a Fisioterapia pode oferecer no Pós operatório de Cirurgias ortognáticas. Infelizmente a literatura científica ainda é muito escassa nesse assunto, porém os resultados clínicos são bem satisfatórios.

As Cirurgias Ortognáticas, são realizadas pelos profissionais dentistas Buco-maxilos e visam restabelecer um padrão facial anormal . Atualmente, os números de procuras por essas cirurgias, por questões estéticas, têm aumentado bastante.

Um dos padrões “anormais” mais procurados para correção são os desequilíbrios existentes entre a maxila e a mandíbula, vista num plano lateral/perfil. Alguns indivíduos podem apresentar como padrão anormal, uma mandíbula retrusa, no qual chamamos de retrognatismo, sendo classificados na Classe II de Angle.  Outros indivíduos podem apresentar uma mandíbula proeminente, no qual chamamos de prognatismo, sendo classificados na Classe III de Angle.

A Fisioterapia no Pós operatório dessas cirurgias tem como objetivo acelerar o processo de recuperação e cicatrização dos tecidos envolvidos pelas cirurgias. O quadro clínico mais encontrado no pós cirúrgico é a presença de edema de face (principalmente sobre a região da mandíbula/Arco zigomárico e mento); Diminuição da sensibilidade do mento e dos lábios; diminuição da amplitude de movimento na abertura/fechamento da boca e lateralidade de mandíbula; aderência do músculo orbicular dos lábios, tendo em vista que as incisões cirúrgicas são realizadas intra-oral. Sendo assim utilizamos técnicas de drenagem linfática, estiramento fascial, artrocinemáticas e de sensibilização.

Um dos cuidados que devemos ter é nas manobras para ganho da abertura bucal, pois algumas vezes a força que aplicamos sobre a mandíbula pode  ocasionar uma compressão  da ATM Posterior (Tecido Retrodiscal) desenvolvendo dor sobre essa região. Com isso o paciente que antes não tinha queixa de dor na ATM passa a apresentar.

No Tratamento de Fisioterapia Orofacial é crucial a experiência do profissional que esta te atendendo. Informe-se sobre a experiência do seu Fisioterapeuta. 

Dr. Leonardo Brito

Fisioterapeuta (Crefito-2/65-064F)                                                                              

 

Como tratar o Bruxismo com Fisioterapia?

O Bruxismo atinge cerca de 40% da população mundial e se caracteriza pelo ato de apertar ou ranger os dentes involuntariamente. Em sua maioria acontece no período noturno, ou seja, quando estamos dormindo. O problema causa dores de cabeça, dores e/ou cansaço nos músculos mastigatórios, dores de ouvido, dores na ATM e disfunções cervicais podendo afetar o emocional dos pacientes e levar a uma incapacidade na realização de suas atividades diárias.
Clinicamente pode ser classificado em dois tipos: o Cêntrico ( no qual se mantém um apertamento dentário constante por conta de uma contração isométrica aumentando assim a carga sobre a Articulação Temporomandibular) e o Excêntrico (no qual ocorre um ranger dos dentes por conta de uma contração isotônica involuntária causando um desgaste dos dentes).
Todo tratamento do Bruxismo deve ser realizado por uma equipe multiprofissional, envolvendo profissionais de saúde como Dentistas, Fonoaudiólogos, Psicólogos e Fisioterapeutas.
A Fisioterapia tem atuado na diminuição das dores musculares, causadas em sua maioria pela presença de Pontos Gatilhos nos músculos; na diminuição das dores articulares, causadas pelas disfunções artrocinemáticas da ATM e na reestruturação Sensório-motora de todo complexo Cervico-Crânio-Mandibular.
Algumas Técnicas e Métodos utilizados nesses pacientes: Técnicas Miofasciais, Dry Needling (Agulhamento à seco), Acupuntura, RPG, Osteopatia, Mailtland entre ooutras.
Para procurar o serviço de um Fisioterapeuta não precisa ter um encaminhamento Médico ou do Dentista. O Fisioterapeuta tem autonomia para avaliá-lo e decidir o melhor tratamento Fisioterapêutico.
Dr. Leonardo Brito
Fisioterapeuta (Crefito-2/65.064F)

Você já sentiu dor nas Costas?

Ainda não há nenhum videoclipe

23. Mar, 2017

Vocês já pararam para pensar o quanto que a Lombalgia afeta a vida das pessoas?

Não se preocupe, pois ela é mais freqüente do que você imagina.
A Dor nas Costas é um mal que atinge cerca de 54 milhões de brasileiros e de acordo com a Organização Mundial de Saúde é um caso de Saúde Pública. São uma das principais causas de incapacidades e faltas no trabalho perdendo apenas para a violência doméstica e doenças cardiovasculares. Dentre as Dores nas Costas, temos a Dor na região cervical (Cervicalgia), Torácica (Dorsalgia) e Lombar (Lombalgia).
A tão famosa lombalgia é o mal que mais aflige a população brasileira tendo um crescimento de 60% nos últimos 20 anos. Geralmente o primeiro episódio de dor pode vir com forte intensidade, mas que acaba melhorando com o tempo, sem procurar auxilio profissional. Em 1/3 dos casos essa dor pode voltar dentro de 1 ano depois da primeira crise. Desses indivíduos, 5 a cada 10, relatam limitações para realizarem simples atividades diárias. Sabe-se que 85% desses indivíduos apresentam Dor lombar não específica, ou seja, sem causa aparente. Para se ter uma idéia, a tão temerosa Hérnia de Disco só acomete 4% dos indivíduos. Sendo assim a maioria dos casos de lombalgia são causadas por questões não específicas.
Caso você apresente esse diagnóstico de lombalgia não específica, quer dizer que você não apresenta nenhuma doença grave de coluna. Por exemplo: tumor, artrite, fraturas entre outras. Nesses casos não específicos, não se sabe a fonte exata da origem da dor, sendo assim não deveríamos nos preocupar com alguns achados nas Ressonâncias Magnéticas, como: pequenas protusões discais, espondiolisteses, “Bicos de papagaios” entre outros. Esses achados também estão presentes em muitos indivíduos sem dor. Quando você se preocupa com esses achados a sua mente acaba somatizando o problema e faz com que se crie uma barreira de proteção para a realização de algumas atividades diárias como: dirigir automóvel, carregar sacolas de mercado, curvar o tronco para frente entre outras. Quem nunca ouviu e disse: Não posso dirigir porque estou com problema de coluna; Não posso carregar sacolas de mercado que estou com problema de coluna; Não posso fazer musculação porque estou com problema de coluna. Todas essas afirmativas são MITOS e devem ser desmistificadas por um profissional de saúde capacitado. Essas atitudes só propiciam alimentar o problema tornando-o crônico. De acordo com os últimos estudos, os mecanismos que mais tem contribuído para agravar as lombalgias são as atitudes comportamentais adotadas por esses indivíduos. Fica a dica: A nossa coluna foi projetada para suportar algumas cargas.
O tratamento para esses indivíduos, com lombalgia não específica, tem que ser focado no que a ciência atualmente nos mostra que funciona. Dentre os aspectos mais importantes esta a inatividade. Os indivíduos acreditam que quando não nos mexemos não iremos ter dor; quando tomamos medicamentos em excesso teremos a cura do problema. Isso é MITO. A melhor forma de tratamento e prevenção para esses casos é através de um programa de exercícios ativos focados na melhora da sua mobilidade, da força muscular e do desempenho funcional. Por isso estar em contato com profissionais de saúde capacitados, como Fisioterapeutas e Professores de Educação Física é a melhor forma de amenizar e prevenir as lombalgias não específicas.
Veja abaixo as 10 VERDADES sobre Dor Lombar:
1) Em caso de aparecimento de Dor Lombar, não interrompa as suas atividades diárias, principalmente o trabalho;
2) A Ansiedade e o Estresse podem agravar a Dor Lombar;
3) O Movimento precoce, dentro do seu limite, é saudável. Sendo assim não interrompa sua atividade física. Procure um Fisioterapeuta. A atividade física ajuda na sua recuperação.
4) Ficar em repouso somente em caso extremo e na fase aguda, nunca ultrapasse 3 dias. Lembre-se que a inatividade é um fator crucial para a piora do problema.
5) Se preocupar com a Dor só vai piorar o quadro, cria o que chamamos de Hipervigilância Postural.
6) O tratamento conservador tem o mesmo efeito que o tratamento cirúrgico.
7) Levantar pesos não são fatores de risco.
8) Os achados de imagem só contribuem para somatização do problema. Não se preocupe se o profissional fez pouco caso ou não pediu o exame de imagem.
9) Se preocupe apenas se junto com a dor lombar você apresentar outros sintomas como: febre constante, perda de peso rapidamente, sangue na urina ou fezes. Nesse caso procure um médico rapidamente.
10) Confie no Fisioterapeuta que está te acompanhando. Sem confiança não há melhora dos sintomas.
Dr. Leonardo Brito
Fisioterapeuta (Crefito-2/65.064F)